Moça, não é apenas coisa da sua cabeça

Não, não é. Se você sente que há algo errado, pode realmente haver. Se você se sente coagida, pode ser que realmente esteja sendo. Se acredita que ele não está tão afim quanto você, ele pode mesmo não estar. Se percebe que é a segunda opção dele, é porque, possivelmente, há demonstrações reais disso. Se ele te trata com menos carinho do que você acha que merece, é porque você, definitivamente, merece mais. No fundo, você sabe. E, na maioria das vezes, não é apenas uma mera criação da sua cabeça.

Só você sabe o que sente. Só você sabe quais atitudes te magoam, o que te tira do sério, e o que você não poderia suportar. Mas, infelizmente, você acaba suportando. Acaba aceitando mesmo o que te deixa mal, afinal, pode ser apenas encanação sua. Coisa da sua incrível cabecinha, que insiste em criar mil coisas que podem não ser reais.

Tudo bem, algumas coisas podem mesmo não ser. No entanto, a partir do momento que elas estão presentes nos seus pensamentos, há motivos reais para elas estarem ali. Você não é a louca que querem que você acredite. Você sabe muito bem o que tem te feito mal, moça. E, por mais que você não queira aceitar ou por mais esforços que façam para que você não enxergue, no fundo, você sabe. Ou melhor, você sente. E o sentimento é a prova viva de que não é apenas coisa da sua cabeça.

Então, moça, trate de se valorizar. Mais do que um conselho, isso é uma ordem. Trate de dar atenção ao que você sente e ao que a sua cabeça indica. Se ela indica, é porque ela sabe bem a direção a seguir. Lembre-se: você não é louca, porque só você pode saber o que sente. A partir do momento em que você der a atenção devida às suas emoções, terá certeza de que as coisas não são apenas da sua cabeça.

Você encontrará evidências reais do que imagina. E saberá muito bem como lidar com elas. Você é segura o suficiente para tomar decisões e para bancá-las. Coragem!

Este é um post original do blog semtravasnalingua.com.br.

Comente

Comentários

Uma designer mineira, 26 anos, podem me chamar de Mica. Luto contra eu mesma todos os dias. Às vezes ganho, às vezes perco… mas não desisto. Esperem de mim um bocado de textos sobre arte, flores, fé, receitas de bolo, amores e mimimi.

About the author

Micaela Garcia

Uma designer mineira, 26 anos, podem me chamar de Mica. Luto contra eu mesma todos os dias. Às vezes ganho, às vezes perco… mas não desisto. Esperem de mim um bocado de textos sobre arte, flores, fé, receitas de bolo, amores e mimimi.

View all posts